//
Você está lendo...
Economia e Agro, Matérias

Difusão de tecnologias de produção abre perspectiva para pecuária no TO

Andriolli Costa/Rural Centro
Publicado em 18/04/2013

Foto: Thaiany Regina / Rural Centro

Trinta anos atrás, quando Epaminondas Andrade chegou ao Tocantins, sentia que a pecuária do estado era mais pujante. Na última década, no entanto, o produtor rural percebeu essa euforia esmorecer constantemente. Cultivos agrícolas como a cana de açúcar e especialmente a soja tomaram as áreas anteriormente dedicadas à criação bovina e os preços estagnados do mercado da carne desencorajaram e descapitalizaram muitos pecuaristas da região.

“É claro que isso não é um problema só no Tocantins”, salienta. “Mas o fato é que estamos produzindo 4 ou 5 arrobas por hectare/ano e para ter lucro seria preciso produzir 15”. Para Andrade, que trabalha com a venda de genética bovina, a solução está na disseminação de novas tecnologias de produção e de boas práticas de manejo e gestão, especialmente para pastagens. Isso porque o produtor no Norte acostumou-se com a fertilidade natural do solo da Zona da Mata. “Não dá mais para agir como garimpeiro e só tirar do solo”, critica. “Temos que trabalhar com a adubação e correção. Eu trato a pastagem como uma lavoura de capim, que eu colho com a boca do boi”.

Para o vice-presidente da Federação de Agricultura e Pecuária do Tocantins (FAET), Paulo Carneiro, produtores como Epaminondas Andrade ainda são exceções. “A pecuária no estado tem muito que se desenvolver. Nosso produtor não é empresário rural, ainda é muito amador. Ele precisa tratar a fazenda como um comércio e investir para ter maior ganho de carcaça e produtividade”. Demanda existe, principalmente no mercado interno. Mesmo com um rebanho de 8 milhões de cabeças, Tocantins depende da produção de estados como Mato Grosso e Goiás para atender quase 50% da demanda dos 13 frigoríficos em atividade no Estado.

EVOLUÇÃO DA PECUÁRIA
As mudanças trazidas pelo investimento em tecnologias, no entanto, já podem ser percebidas pelos que acompanham passo a passo o avanço da pecuária no estado ao longo dos anos. Em atividade há quase três décadas em Tocantins, o leiloeiro rural Eduardo Gomes relata que a evolução é visível. “Os leilões são uma vitrine do estágio do rebanho e posso dizer que houve uma inversão. Na época havia uma minoria de animais bons nos leilões, mas hoje é exatamente o contrário”. Para ele, ainda que deficiente em vários pontos, Tocantins tornou-se referência para criadores de gado de corte de diversos estados devido à prática de uma pecuária a pasto, com gado adaptado e saudável. Desde 1997 a região é livre da febre aftosa e mantém 99% do rebanho vacinado.

Nos dias 6 e 7 de maio, a cidade de Palmas, no Tocantins, vai receber uma das etapas do Circuito Feicorte NFT 2013, uma iniciativa do Agrocentro, que realiza todos os anos a Feira Internacional da Cadeia Produtiva da Carne em São Paulo, em parceria com a NFT Alliance (união estratégica entre MSD, Nutron e Vale). A feira trará uma rodada de negócios com mais de 30 empresas, além de palestrantes e expositores de destaque na pecuária brasileira para promover a difusão de novas tecnologias de manejo. Para Gomes, que vai realizar um leilão virtual durante o circuito, receber um evento como este pela primeira vez ao estado é um divisor de águas. “Eu vejo a chegada da Feicorte como o mais importante evento já ocorrido no estado e na região Norte. É um privilégio para o produtor e um salto gigantesco em termos de conhecimento, informação, sistemas de produção, de adequação ao mercado e de perspectivas do futuro”.

Paulo Carneiro, da FAET, enxerga o evento como uma oportunidade de prospecção de parcerias para projetos. “Hoje não temos a infraestrutura adequada no estado para a pecuária, mas se abrirmos os olhos e ampliarmos os horizontes dos produtores rurais, poderemos ter uma grande virada de um ano para o outro”, estima. Epaminondas Andrade defende novas propostas e inovações que o circuito possa trazer e sabe que é questão de tempo até que elas se consolidem. “Quem não mudar, não vai continuar na pecuária”, finaliza.

Anúncios

Sobre Andriolli Costa

Jornalista sul-mato-grossense em terras gaúchas. Atua principalmente nas áreas de jornalismo científico, cultural, rural e com estudos de Jornalismo.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Twitter

  • Como Sócrates é um cuzão, heim? HAha, não dá pra conversar com ele. HAha, li Íon hoje, e o cara não dá desconto 3 hours ago
  • RT @OneRudeFlowers: Pantone picked Ultra Violet as colour of 2018. It's officially year of the Cyberpunk Bisexual Lighting. https://t.co/Q… 4 hours ago
  • Primeira página do artigo final da disciplina finalizada. HAha, o começo pra mim é sempre o mais difícil. Agora vai! 4 hours ago
%d blogueiros gostam disto: