//
Você está lendo...
Matérias

Luiz Jacques Saldanha: Os monstros no seu armário

“O Greenpeace está trazendo à luz o engano desta opção industrial, que já teve seu tempo, para mostrar como (o uso de partículas artificiais) vem destruindo a vida em todos os ecossistemas”, afirma o ambientalista.

Foto – Greenpeace

Em julho de 2011, quando o Greenpeace lançou a campanha Detox, 18 grandes empresas do setor de vestuário comprometeram-se em diminuir a presença de substâncias tóxicas identificadas em suas peças. Tais partículas, frequentemente disruptores endócrinos, são conhecidas por inibir ou alterar o funcionamento de hormônios, promover a obesidade e até mesmo induzir a formação de câncer. Em janeiro de 2013, no entanto, um novo relatório divulgado pela organização aponta que diversas destas marcas ainda não atingiram os resultados esperados.

O estudo foi encomendado pelo Greenpeace da Ásia Oriental e analisou 82 produtos — entre roupas e calçados adultos e infantis, camisetas, macacões, casacos, jaquetas e maiôs — comprados em 25 países diferentes entre maio e junho de 2013. As lojas também variaram de grandes varejistas a pequenos comércios. American ApparelBurberryC&A, DisneyGap,H&MPrimarkPumaUniqlo e, especialmente, AdidasLiNingNike apresentaram resultados que preocuparam a entidade.

Em 61% das amostras, por exemplo, foi encontrado etoxilato de nonilfenol (NPE), que no ambiente se quebra resultando em nonilfenóis, reconhecidamente tóxicos. Mais do que isso, 94% de produtos com impressões de plastisol continham ftalatos — disruptores hormonais que, segundo o Greenpeace, interferem no desenvolvimento dos órgãos reprodutivos masculinos e na reprodução feminina. O estudo completo divulgado pela entidade, intitulado A Little Story About the Monsters In Your Closet (“Uma pequena história sobre os monstros no seu armário”, em tradução livre), está integralmente disponível online.

Diversas marcas contestaram o estudo, alegando que estão dentro das normas estabelecidas pela indústria, o que talvez ainda seja acima do indicado pelos estudos. Na avaliação do engenheiro agrônomo e militante ambiental Luiz Jacques Saldanha, ainda que as grandes empresas não se ajustem completamente ao padrão proposto pela entidade, “Só esta percepção que o Greenpeace nos desperta — a de que nossas roupas, incluindo de nossos recém-nascidos, são envenenadas — já torna sua campanha exitosa”.

Em entrevista concedida por e-mail à IHU On-LineSaldanha traça um breve histórico das moléculas artificiais, questiona o modo como foram impostas até se tornarem parte do cotidiano de todo o mundo e destaca as possíveis alternativas para uma produção e consumo sustentável. Defende também maior participação e interesse do consumidor e oferece dicas simples para aqueles que desejam buscar produtos mais seguros para o uso humano.

Foto – Greenpeace

Para Saldanha, a verdadeira sustentabilidade é aquela que retorna à natureza, deixando de lado as partículas artificiais que “não são reconhecidas pela Vida” e entram em choque com os organismos vivos. O ambientalista relembra que, mesmo recorrendo a matérias-primas naturais, a poluição é inevitável. No entanto, “esta é a equação da sustentabilidade: produtos com os quais a natureza possa ‘dialogar’ e em quantidade compatível com a capacidade de absorção do ecossistema”, ressalta.

Luiz Jacques Saldanha é engenheiro agrônomo e bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Educador e ambientalista, é um dos colaboradores do blog Nosso Futuro Roubado. Atualmente reside em Florianópolis-SC.

Confira a entrevista.

Luis Jacques Saldanha

IHU-Online – Em 2011 o Greenpeace lançou a campanha Detox para exigir das grandes empresas de vestuário o compromisso de diminuir os resíduos poluentes que contaminam o meio ambiente e influenciam na saúde humana. Qual a importância desta campanha? Acredita que ela está sendo bem-sucedida?

Luiz Jacques Saldanha – Primeiramente quero honrar esta organização que, internacionalmente, vem demonstrando o quanto a sociedade civil está abandonada e como vem sendo, incompreensivelmente, negligente consigo mesma e, pior, com a saúde de seus descendentes. Isso sem mencionar sua relação de total indiferença com o restante da Vida que compartilha com ela este planeta. Só esta percepção que o Greenpeacenos desperta — de que nossas roupas, incluindo de nossos recém-nascidos, são envenenadas — já torna sua campanha exitosa.

Da mesma forma mostra o quanto ela é indispensável ao denunciar, mais do que a contaminação e a irresponsabilidade da moderna industrialização, a inadmissível opção dos setores oficiais e públicos das áreas da saúde e ambiental de todos os países do Globo por este extermínio lento e definitivo que tais processos vêm causando à vida planetária. O mais incrível ainda é que estes setores públicos são sustentados pelo dinheiro do imposto da própria sociedade que abandona! Mostrando-se completamente inoperantes, ausentes e distantes de seus compromissos básicos para quem lhes paga, fazem com que o Greenpeace, em aspectos fundamentais e básicos da saúde pública, seja o grande defensor de todos nós.

IHU-Online – Quais são os males causados por estes resíduos químicos?

Luiz Jacques Saldanha – Devemos retornar um pouco nossa compreensão e definitivamente nos darmos conta de que a base da industrialização (e incluo a agricultura e os serviços) e da vida cotidiana e familiar moderna está assentada em moléculas artificiais. Isso já demonstra o completo equívoco dos tempos atuais em qualquer tipo de discurso que seja focado em saúde, sustentabilidade e futuro. Sendo artificiais, fazem com que a Vida, que surgiu na Terra há mais ou menos 3,5 bilhões de anos, não as reconheça porque não foram criadas por ela. É por isso que quase sua totalidade não consegue ser metabolizada completamente, como ocorre com todas aquelas que são naturais.

Para melhor compreensão desta incongruência, faço uma analogia de um grupo de brasileiros que encontra um grupo de chineses. Ambos só falam suas línguas pátrias. Cada grupo só ouvirá do outro nada mais do que ‘ruídos’, e não expressões de sentimentos, inteligência e comunicação. E por isso ficarão completamente incomunicáveis entre si. Pois o mesmo pode se entender quanto à relação entre moléculas naturais e artificiais. Tanto é assim que dissemos que as artificiais normalmente são persistentes e bioacumulativas. Ou seja, continuam da mesma forma, persistindo idênticas por tempos inimagináveis, bem como se depositam nos tecidos dos seres vivos onde ficam como uma poupança insidiosa.

O fato de estas moléculas causarem ‘males’ aos seres vivos, como os humanos, por exemplo, é uma consequência óbvia. E que males são esses? Bem, só para se ter um parâmetro, vou citar o autismo, em moda até nas novelas da tevê. Conforme médicos tanto da Europa como dos EUA, há vinte ou trinta anos a incidência desta síndrome era de uma criança para cada 100 mil. Hoje, só na Inglaterra e nos EUA, é de uma criança para cada 66! E sabemos que esta síndrome está também ligada fortemente ao tipo de flora intestinal que a criança recebe de sua mãe, que por sua vez recebeu de sua avó. E esta microbiota vem tendo, progressivamente, influência direta destas moléculas que foram sendo gradativamente colocadas em todos os espaços de convivência humana.

E mais, elas também são consideradas obesogênicas. Ou seja, formam fisiologicamente os seres que nascem obesos. No Brasil a faixa etária com maior número de obesos é de crianças de 5 a 9 anos de idade. Paralelamente muitas dessas substâncias também atuam como disruptores endócrinos. O que quer dizer que alteram, bloqueiam, limitam e/ou transformam os hormônios desde a fase de formação fetal. Por aí se pode ter uma ideia dos males que estas moléculas vêm causando sobre toda a vida da Terra!

IHU-Online – Como se deu a entrada destas moléculas artificiais no contexto da vida cotidiana dos seres humanos?

Luiz Jacques Saldanha – Tudo se deu na Europa, mais ou menos lá pela metade do século XIX. Foi quando, no espírito dos ex-alquimistas, começaram a formular moléculas que imitavam coisas como o azul da planta tropical Indigofera spp, que fornecia o anil. Os alemães sintetizaram algo que acabou imitando este corante, surgindo então a ‘anilina’. Podemos até aceitar que no início desta decisão, de trocar as moléculas naturais pelas artificiais, pode ter tido algo de uma ingênua busca de desvelar os mistérios da Natureza, mas posso também ver algo como uma pretensão e uma arrogância empresarial de nada mais fazer do que se ‘libertar’ das matérias-primas naturais por aquelas geradas em seus próprios laboratórios. E, nada sendo por acaso, também se ‘libertavam’ de sua ‘escravidão’ dos espaços coloniais onde estavam os materiais naturais.

No entanto, insistir nisso hoje passou, no meu entender, a ser um crime de lesa-humanidade. Uma ação suicida, como já vinha sendo sustentado por nossas bravas ecologistas (Magda RennerGiselda Castro e outras) desde os anos 1980. Assim, o Greenpeace está somente trazendo à luz o engano desta opção industrial, que já teve seu tempo, para mostrar como ela vem destruindo a vida em todos os ecossistemas.

Só para dar uma sustentação a isso, relembro o que está acontecendo com os oceanos, espaço final de todas as ações que são praticadas nos continentes. Existem locais chamados ‘dead zones’, onde todos os animais marinhos simplesmente desapareceram! Estes locais ficam próximos da costa de muitos países ‘desenvolvidos’ para onde vão todos os despejos dos grandes centros urbanos, dos grandes conglomerados de sistemas criatórios intensivos de aves, gado, porcos, bem como o que é levado pela erosão da agricultura ‘moderna’ (ou seja, com fertilizantes solúveis e agrotóxicos). E nestes despejos estão presentes todas estas moléculas artificiais que também estão em nossas roupas.

Parece que estou cometendo alguma incongruência na minha exposição, misturando agricultura com esgotos industriais e dejetos de nossa vida cotidiana. Lastimavelmente, não. A invasão do paradigma ideológico que leva um agricultor, uma dona de casa e/ou um empresário ao emprego destas moléculas vem sendo exatamente o mesmo. A molécula que o empresário usa para ‘lavar’ o tecido que vai se transformar numa roupa de um jovem, é a mesma que a dona de casa usa para ‘lavar’ a louça e a mamadeira do bebê, como é a mesma que está presente no agrotóxico como um adjuvante. Pode-se então concluir que esta disseminação é generalizada, e todos nós, seres humanos, e pior, os que se consideram os mais modernos, os mais avançados e progressistas, vimos sendo os verdadeiros responsáveis por esta devastação generalizada de tudo e todos.

Foto – Greenpeace

IHU-Online – Vários dos produtos analisados indicaram a presença de disruptores endócrinos. O que são estas substâncias? Por que deveríamos nos preocupar em eliminá-las de nosso dia a dia?

Luiz Jacques Saldanha – Como disse acima, muitos deles são realmente notórios disruptores endócrinos e já são banidos nos países inclusive que os geraram! Mas que substâncias são estas, afinal? São as que estão em nosso dia a dia, nos produtos de consumo cotidiano e não só nas roupas. E são assim identificadas porque têm a capacidade de imitar, bloquear e/ou transformar os hormônios que são gerados por nosso sistema endócrino. Quando foram vistas com esta capacidade? Pois tudo isso começou no ano de 1989 quando a cientista Ana Soto, argentina que trabalha há décadas na Universidade de Tufts em Boston, nos EUA, detecta que moléculas artificiais, presentes em detergentes, espuma espermicida e antioxidante de plásticos, geravam efetiva e definitivamente câncer de mama.

A partir daí começa uma verdadeira guerra entre cientistas independentes e os financiados ou funcionários das imensas corporações transnacionais de todos os ramos que empregam estas moléculas, para provarem que as moléculas estavam alterando a fisiologia fetal ao feminizar os machos e masculinizar as fêmeas. Depois de todas estas pesquisas e todos estes anos, não se discute mais que tais substâncias, além de alterarem a fisiologia sexual dos fetos, também alteram a fisiologia de outras áreas do organismo, como falei antes sobre a obesidade.

Mesmo as indústrias, que são donas das patentes, e os órgãos públicos de saúde e ambiente dos EUA e da Comunidade Europeia curvaram-se ante o inquestionável. O drama agora é como ‘substituir’ toda esta parafernália da industrialização moderna, completa e totalmente vinculada e dependente das moléculas artificiais?

Principalmente quando os espaços planetários, como o Brasil, onde os Impérios Coloniais vinham buscar as matérias-primas naturais, acabaram aderindo à modernidade e estão dizimando todas as fontes naturais como a Mata Atlântica, aAmazônia, o Cerrado e várias outras ao trocá-las pelo modelo do agronegócio das ‘commodities’ das grandes monoculturas de soja, cana-de-açúcar, pecuária intensiva, etc.

Além disso, como a maioria destas roupas é feita hoje em países onde a mão de obra é miserável e não há nenhuma fiscalização de saúde ou ambiental, estas moléculas continuam sendo utilizadas para tornarem os produtos intermediários e finais mais “competitivos”. Em outras palavras, quanto mais escravizante, degradante e poluente for a produção, mais oportunidade de ganhos para as grandes marcas. Marcas que vendem nos países centrais por preços que fazem parecer que toda a cadeia de produção foi composta pelos funcionários mais caros e sofisticados do mercado, obedecendo a todas as normas e determinações quanto à saúde e ao ambiente! E este é o escárnio que, indiretamente, o Greenpeace nos mostra ao denunciar.

IHU-Online – Na época, 18 empresas se comprometeram em diminuir seus poluentes até 2020. No entanto, várias delas ainda não atingiram as metas estabelecidas. O que leva uma empresa a fazer este tipo de compromisso? Quais as maiores dificuldades alegadas por elas?

Luiz Jacques Saldanha – As empresas aceitam este tipo de pressão primeiro porque precisam estar ‘de bem’ com o mundo do consumo, e quem consome é o público. Mas agora vem o mais dramático: Será que a população realmente se dá conta da extensão do porquê de estas ONGs estarem lutando e tratando destes temas? E é neste fio da navalha, no meu entender, que as empresas acolhem ou não fazer tais tratativas com estas ONGs. E mais, de cumprirem ou não seus termos. Elas na verdade não têm nenhum tipo de obrigatoriedade de seguir e até mesmo de ouvir estas organizações. Então quando há qualquer mobilização das empresas, por pequena que seja, já é um ganho. O público, se tivesse um pouco mais de amor por si e pela Vida, deveria estar prestigiando e honrando estes movimentos das ONGs.

A dificuldade das empresas em cumprirem o acordo está também vinculada a esta situação de informalidade. Da mesma maneira, reconhecermos que todas estas moléculas são muito baratas em função dos imensos esquemas industriais que têm suas patentes, além de serem muitas vezes total e completamente subsidiados pelos governos de todo o mundo.

Retornar ao emprego de moléculas naturais ou ‘menos’ poluentes representa tanto maiores custos industriais como talvez exija reformulações nos procedimentos industriais. Ou seja, vai fazer com que as empresas saiam de suas ‘zonas de conforto’ e de seus tradicionais métodos de produção. Daí surge a pergunta: para que fazer o que estes ‘loucos’ querem? Quem são eles para nos obrigar, enquanto os setores públicos e, na maioria das vezes, a própria sociedade lesada, não nos demandam nada?

IHU-Online – Qual o papel do consumidor neste contexto? O que ele deve fazer para proteger sua família e a si mesmo de roupas contendo estas substâncias tóxicas?

Luiz Jacques Saldanha – Em países como o nosso é definitivamente simples e direto! Basta trocarmos agora e sempre as moléculas artificiais que têm um só dono que a patenteou, por aquelas que todo o planeta é dono — as naturais. O drama é que a maioria de nós não tem a mínima noção de que existem moléculas, substâncias e produtos que são artificiais e os que são verdadeiramente naturais.

As escolas em todos os níveis, do primeiro grau à universidade, passando pela tevê com seus comerciais, não nos dão nem uma pequena noção que seja desta diferença e de por que fazermos esta escolha. Assim, penso que o compromisso de cada um é buscar estas informações, o que não é tão difícil assim graças à internet. Vou dar um exemplo: Deve-se sempre chegar diante da prateleira e ler quais são os ingredientes dos detergentes ou do sabão para lavar roupa. Se você ler e não entender nada, não compre. Agora, se entender e estiver escrito coisas como sabão base ou sabão de coco, por exemplo, aí é bom comprar. Mesmo que tenha alguns outros nomes que você não reconheça, o componente principal e em maior volume será de matéria-prima natural. Dessa forma, cada um vai se apropriando do conhecimento básico e se torna agente de sua própria vida.

Outra dica é jamais usar uma roupa que se comprou na loja sem antes lavá-la, com sabão natural, na máquina. Assim, eliminamos pelo menos as substâncias que estão na superfície do produto. No entanto, algumas substâncias artificiais são os próprios corantes, e aí não dá para fazer nada. Ainda. Quanto a roupas, comprar só aquelas que tradicionalmente são naturais, como algodão, linho, seda… O restante é sintético, ou seja, artificial.

IHU-Online – Quais as alternativas da indústria da moda e do vestuário para buscar a sustentabilidade?

Luiz Jacques Saldanha – Só se retornarem a tudo o que é natural. O resto é conversa para enganar os incautos. Sustentabilidade é natureza, e nada mais.

IHU-Online – Você acredita que a produção de roupas utilizando tecidos orgânicos (algodão orgânico, seda, lã, cânhamo, etc.) é uma alternativa viável? Até que ponto a apropriação dessa matéria-prima pela indústria realmente preserva o meio ambiente e gera um produto livre de toxinas?

Luiz Jacques Saldanha – Bem, primeiramente não devemos confundir produto necessário e indispensável com consumismo desenfreado e fútil. Assim, tudo pode ser feito de maneira natural, sem esta loucura de substituir carência por consumo. E sendo tudo natural e consumido num nível de normalidade, não haverá problemas nem de produção nem de contaminação. A poluição pode ser sim o errado no espaço vital, mas o certo em quantidades que o ecossistema consegue digerir. Esta é a equação da sustentabilidade: produtos com os quais a natureza possa ‘dialogar’ (lembrando os brasileiros e os chineses) e em quantidade compatível com a capacidade de absorção do ecossistema onde os sobrantes da industrialização e do consumo sejam depositados.

IHU-Online – Como diferenciar empresas realmente engajadas com a sustentabilidade daquelas que buscam apenas explorar um filão crescente do mercado, com consumidores dispostos a pagar mais pelos produtos?

Luiz Jacques Saldanha – Aí nós temos que seguir estas benditas ONGs que estão, por amor à Vida, falando por nós — os irresponsáveis e omissos. Quanto a pagar mais ou menos, isto é uma grande mentira. Todos estes produtos artificiais pelos quais pagamos ‘menos’ são subsidiados por nós mesmos através de todas as benesses que os governos lhes dão, com nosso total desconhecimento, quanto a impostos de toda ordem. Ou seja, não tiramos diretamente do bolso de nossa calça, mas pagamos com os subsídios. E mais ainda, com as doenças e as contaminações que os órgãos públicos acabam tendo que ‘limpar’ para manter os espaços ‘saudáveis’.

IHU-Online – Deseja acrescentar mais alguma coisa?

Luiz Jacques Saldanha – Sim. Pelo que me consta, o Papa Francisco está pretendendo fazer alguma coisa quanto ao ambiente, não é? Será que não está na hora deste tipo de tema chegar ao seu conhecimento? Afinal ele escolheu seguir(São) Francisco e ainda é um jesuíta da mesma escola que a Unisinos e o Instituto Humanitas Unisinos – IHU. Deixo esta interrogação porque nada me parece mais conectado com o espírito cristão do que a preservação de todas as vidas do Planeta, incluindo a dos seres humanos.

(Por Andriolli Costa)

Anúncios

Sobre Andriolli Costa

Jornalista sul-mato-grossense em terras gaúchas. Atua principalmente nas áreas de jornalismo científico, cultural, rural e com estudos de Jornalismo.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Twitter

  • Como Sócrates é um cuzão, heim? HAha, não dá pra conversar com ele. HAha, li Íon hoje, e o cara não dá desconto 4 hours ago
  • RT @OneRudeFlowers: Pantone picked Ultra Violet as colour of 2018. It's officially year of the Cyberpunk Bisexual Lighting. https://t.co/Q… 4 hours ago
  • Primeira página do artigo final da disciplina finalizada. HAha, o começo pra mim é sempre o mais difícil. Agora vai! 4 hours ago
%d blogueiros gostam disto: